A Praia

Menos um dia para Jerônimo.

Fatigado sentia-se. Meses parado, recuperando-se, relembrando de cada flash que seu cérebro lhe permitia, sonhando com como seria se tudo não houvesse acontecido. “Deveria ter estudado cálculo…”, pensava. Dois meses antes envolvera-se num acidente automobilístico que deslocara seu fêmur. Um mês inteiro sem mudar de posição numa cama. Outro mês de fisioterapia e a companhia de duas damas: Ermínia Paula e Manuela Emengarda. Foi como decidiu chamar suas duas muletas. Ele sabia agradecer pelo ocorrido, pelos dois meses sem andar. Não morreram todos por milagre.

Hoje estava quase ótimo. Fazia as sessões com a fisioterapeuta, mantinha-se disciplinado quanto a cada recomendação que lhe fizera o médico. Não lhe agradava a possibilidade de não recuperar totalmente todos os movimentos, de não poder fazer tudo o que podia fazer antes da fatídica noite. Era um espírito livre, tinha calafrios só de pensar em ser peso ou de não poder mais correr, jogar vôlei, andar todos os dias para a faculdade.

Nunca a praia lhe fora tão convidativa. Não era fã de sol, nem das ondas. A praia lhe convidava a correr; à noite. Adorava a lua, idolatrava o mar. Pensava em si mesmo correndo perto da água que beijava a areia de tempos em tempos, numa dança infinita e mágica. Já sentia o vento escoando pelo seu corpo à medida que avançava rápido em direção ao final da orla. Correr! O que não daria para fazê-lo naquele momento! Mas ainda estava preso a suas damas e todo exercício que lhe era permitido, e recomendado, era o que a fisioterapeuta passava.

Mais um mês, mais trabalho árduo de recuperação. Enfim, era liberado a deixar suas companheiras fiéis dos últimos tempos. Sem nenhuma nostalgia, abandonou-as. Já andava com certo vagar, um certo receio. Questão de tempo, pouco tempo, para andar normalmente, no seu ritmo. Em mais algum tempo ainda, poderia aventurar-se ao pé do mar a percorrer a orla em carreira ritmada.

Eis que chega o dia! Já andava sem problemas, já podia correr! A lua linda, cheia, digna da admiração do próprio sol; o mar estava calmo, a praia convidativa.

Resolveu ficar em casa. Estava muito cansado dos últimos meses.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: