Archive for the ‘Contos’ Category

Heart-engraved

07/10/2010

There he was, sitting at this restaurant’s table with his old days friends, back from when all of them were renowned engineers. Actually, except for himself, every person in that table was still a renowned and successful engineer. And he was tonight’s attraction. “The guy who freaked out”, most of them were probably thinking.

 

He had decided to quit his job some years before and find that which makes his heart pump gladly and joyfully. He decided to become a stone carver. And that was by then quite a revolution for most of his dearest ones, some of whom suddenly started to disdain from him and others who just vanished, as he had become unimportant. From scratch, he started to learn such craft, working in cafés or movie theaters to earn some money so he could keep attending the classes and making his own dignified living.

As he had learned in the past years, he had been noticing how one only question can have multiple meanings. “So, how are you doing, man?” Every one of them, with no exception, asked the same question, using the same words, but complete different meanings. He could feel that some of them were still sincerely worried about him, while others were only insincerely asking a nice question, intending to prove themselves superior, by hearing a sad story as an answer. Unimportantly what intention each one had, he would always answer them the truth, in the utmost kindness and love. “I am very well, thank you!”

They all ordered from the menu, as usual, whatever they pleased. A 500g T-bone steak for one of them, that fancy Mediterranean salad made with local ingredients but charged as if an Italian mama had herself grew such greenery to the sound of Verdi in the mountains of Sicily… Successful people should not be concerned about that. But he was. He should decide whether to have pasta and save money for next day’s lunch or have chicken and be short of money the rest of the week. Sometimes, it felt hard for him to let go of his past life style. All dreams are marvelous, but pursuing them can be really laborious. That’s why most of us don’t. But he was striving and persevering.

The feast had been served and the conversation overrode the strangeness of reencounter, and it was now flowing unrestrainedly. All the important and successful engineers talked about what important and successful engineers talk when they have dinner. They told about the hardships and displeasures of their lives, how they did not have time for themselves and their families and how stressed they were. They also talked about how they kept hoping for the weekend, that shiny beam of light in their lives when they could spend their small fortunes in all kinds of pleasures, so they could recover their energies for the next painful week.

He heard all of that, still immersed in his doubts and thoughts which were raised by his consciousness about his own decision’s hardships, which he had come to realize when he finally chose to have pasta. And he felt happy that he had to make that kind of choices. And he realized that he was actually lucky to have to make such choices. Amidst all those laments, he felt peace of mind and this feeling of utmost fulfillment and happiness. He was carving stone!

BitterSweet

05/08/2010

She was bitter. She came to realize how everything in her life was not at all in the way she had ever desired. And it was not only her personal life outcome that did not go accordingly to her own design; she was finding out – while digging into her memories – that every single wish she had was never completely fulfilled. There was always a but in her way. Always something prevented her from achieving what she wanted.

And she thought that God had abandoned her, that He decided never give her her entire share of what she believed she deserved. And she had really been a lovely and caring person her whole life! How could she never get what she dreamed? Not even one single tiny thing? Why those selfish friends of hers got the best jobs, the most handsome husbands and nice big suburb houses, while she, who’s always endeavoured to live her life caring about other people, did not have the life she planned to have as she was a college student? What did she do wrong? The choices, weren’t her efforts enough, what then?

She was bitter. And what upset her the most was that although nothing has ever gone the way she planned, her life couldn’t actually be better.

Somewhere

02/08/2010

It had been a long time since when she left. Neither she could tell exactly what she was looking for, she just knew she had to go. No one gets anywhere when he’s not moving. And there she went.

Time can change many things; and she knew that, by the time she came back, maybe everything she knew would have changed so, that it would seem to her that that was a completely unknown place. A place with some slightly resemblance of somewhere she had once been to and that now lies only in her memories. And those are beyond time. It can never change them without one’s consentiment. And most of the time one only consents that the time adds some more memories, but never let it touch the dear, old ones.

She had lived far from home. She had had new experiences, some uplifting, some quite difficult. But the secret is that all passes. One must only be calm, keep trustingly treading one’s path and let the time do it’s job. And so she went on. Cherishing every good moment, facing every adversity. She may have cried sometimes at the beginning; she may have doubted. But now she had learned to smile, even at the tribulations. She has found peace and joy.

And she went back. And what she found was surprisingly the unswerving picture of that place she had once left behind. The trees were still of the same green, the white benches at the square were still there, as white as they had been when she was there. She encountered the very friends that lamented her departure and longed for her while they had been deprived of her presence. Their smiles were the same, their stories and the subjects they talked about hadn’t changed at all. Still, even though everything looked exactly the same, she found herself in that very picture she had thought before leaving. That, in which she was in a completely different place. But everything was still as before!

And then she realized that what had been left behind hasn’t changed a bit. No one gets anywhere when he’s not moving. And even though she had now returned, one day she did leave.

Tea and cookies

01/08/2010

Sorry, mam! We’re out of coffee today. May I offer you some tea? I guarantee that it is a very good one indeed! All the way from India! Darjeeling, maybe? Or Delhi? Oh! Is any of these in Pakistan? I’m sorry, I don’t know much of Geography, you know? I only serve tea and cookies.

Oh! And that brings me to the fact that we don’t have bread, unfortunately. Not even a cold hard one. We only serve cookies. But they are really great too, I swear! They have these delicious chocolate chunks! Really good, you know? And we have jam too! All the berries you can imagine! Strawberry, raspberry, blackberry, blueberry, B&W-berry… Whichever berry you like, we have it! And they’re hand-made! My mom makes them! And they taste delicious when the cookies are still hot! We have hot cookies, though, you now mam? They’re not bread, but they are hot too! =) And the chocolate chunks actually melt when they’re hot like that! So, you could pretend the hot cookies are hot bread and that the melting chocolate is melting butter. I know it’ll taste different, but you can pretend that in that world, bread and butter just taste like that, you know?

And you can have some cardamom in your tea! It tastes really great with tea! And the tea is hot too! =) Just like coffee! And it’s black tea, you know. It’s got caffeine too! So, it’ll be just like as if you’re having coffee in the end! At least chemically speaking… Some scientists say we’re nothing more than a bunch of molecules (whatever these molecules are, anyway)… And caffeine is a molecule too, they say. So, if coffee has caffeine molecules and black tea has them too, in the molecule world coffee and black tea are just the same. =)

You know, with a bit of imagination, even the dark can look bright and shiny!

So, would you like some tea and cookies?

O Casanova

29/04/2010

O que não fazem os mancebos apaixonados, na ânsia de conquistar o coração da amada e dos que lhe são caros! Principalmente o da mãe! Conquistar a sogra pode ser o primeiro passo para uma vida conjugal feliz e sem muita intervenção da dita cuja – sim, pouca intervenção, porque não há sogra que não se meta!

O sujeito foi convidado pela namorada para um almoço “em família”, que jurou de pé junto que a mãe era a melhor cozinheira que ele conheceria na vida! Quando dizem que o caminho para o coração de um homem passa pelo estômago, o convite da donzela denunciava suas más intenções para com o garoto. Não obstante, o camarada, já há muito tempo perdido pela pequena, aceitou sem nem dar ouvidos ao blá blá blá sobre a candidata a futura sogra.

Tudo certo para o grande dia. O mancebo na maior beca, banho tomado, perfume importado e sapato lustrado. À hora marcada, lá está. Recebido com toda deferência pela namorada e pela mãe, e com certa desconfiança pelo pai. Pai é assim. No início, é a mais pura austeridade; depois que casa, lá estão os dois, refestelados no sofá da sala a assistir a final do campeonato.

Sentou-se à mesa, de frente para a pretendida, deparando-se com o aparelho de jantar de porcelana e os talheres de prata, daqueles que só são usados em momentos muito especiais – de onde ele, fosse um pouco mais experiente em assuntos conjugais, concluiria que as intenções casamenteiras da namorada eram compartilhadas pela família inteira. Nas cabeceiras, os cabeças da família.

A mãe anunciou o prato escolhido, sua especialidade, feita com toda dedicação. Era uma receita de família, a herança mais cultivada em gerações, um leitão à pururuca com especiarias que já até ganhara prêmio. Um banquete digno dos mais exigentes chefs de cuisine, não fosse o detalhe de que o pretendente não suportava o festejado prato.

Como político em campanha, que até beijo em criancinha dá, o camarada comeu de lamber os dedos e teceu os maiores elogios à mão divina da, a essa altura, quase sogra. Isso, somado a seu bom porte e à sua simpatia – e ao fato de torcer para o mesmo time do (agora, sim) sogrão do coração –, resultou ao dito cujo o sucesso em propósito de conquistar toda a família.

O que não fazem os mancebos apaixonados, na ânsia de conquistar o coração da amada e dos que lhe são caros! Principalmente o da mãe! O problema é quando conseguem. Esse acabou casando com a filha e vai ter que passar os próximos anos da sua vida comendo o excelente leitão a pururuca da sogra, que ele detesta.

Der Mindingo

27/04/2010

Esta é verídica e se passou na Alemanha, na Copa de 2006.

Não me lembro se em Stuttgart, Frankfurt ou mesmo Berlim. Foi numa dessas Gottaskaemstadt alemãs. Uma turma da equipe dos colegas jornalistas ia por uma das ruas da cidade, quando foram abordados por um homem. Nem estava o dito cujo maltrapilho assim. Aqui, no Brasil, ele bem poderia passar por uma pessoa de pequenas posses, a buscar algo para comprar no centro do Rio. Lá, na Gottaskaemstadt, ele era um mendigo. Assim, pelo menos o classificaram os jornalistas. A fim de sermos politicamente corretos – e pela minha desconfiança de que esse camarada tem uma casa no centro da referida cidade – chamemo-lo, à la Jânio Quadros, de pedinte.

O tal se aproximou e balbuciou um “aftasardemdoem” qualquer que nenhum dos brasileiros entendeu. Imaginem só se jornalista tivesse que falar a língua de cada lugar onde vai cobrir alguma matéria. Não haveria o quiproquó que parou o projeto da torre de Babel há uns anos. A linguagem de sinais, por outro lado, é universal. A mão do sujeito estava estendida e em seu rosto havia uma tentativa alemã de expressão de cachorro olhando para o dono comendo um belo pedaço de carne. Apesar da expressão facial em alemão ser um pouco diferente da brasileira, a turma entendeu o que o homem queria.

Lá pelas tantas, depois de o amigo Franz repetir, um pouco mais alto e devagar, a sua frase – coisa que não adiantou muito -, um dos jornalistas resolveu pôr um ponto final à chatice tipicamente brasileira em terras teutônicas. Arranhou no seu parco inglês que ele “don’t speak German”, com um olhar fingido de quem até gostaria de ajudar, mas não entendia o que lhe diziam. Foi daí que o pedinte retrucou:

– But I speak English!

Depois dessa, a turma toda imediatamente exigiu em coro do metido a intérprete:

– Ae, agora dá 5 euros pro cara, que ele merece!

Deu.

(Mais sobre Copas em http://fcvuvuzela.wordpress.com)

Ladrão que rouba ladrão

26/04/2010

Era uma fila comum de uma casa lotérica qualquer. No guichê, a velhinha revira a bolsa, à procura da conta que viera pagar, e nem percebe quando dela cai uma nota de cinquenta reais.

Eis que honrado cavalheiro se apresenta. Dando um passo à frente, o jovem que seguia a velha senhora na fila, cheio de despretensiosas intenções, esconde sob o tênis velho o vil papel; já que metal anda fora de moda no Banco Central.

A senhorinha, como já se esperava, pagou sua conta, deu boa tarde ao caixa, que nada notara, e seguiu tranquila em direção à rua. O jovem, por sua vez, fingiu amarrar o tênis e embolsou os cinquenta reais que, surpreso, ele achou logo embaixo do tênis com o cadarço desamarrado! Fez sua fezinha de sexta na quina – pois, na sena, todos jogavam e ele não era homem de dividir prêmio com ninguém – e tomou o mesmo rumo que a ex-dona da famigerada nota.

Mas a vida não reserva suas desventuras apenas a desprotegidas senhoras da terceira idade. O nosso (anti-) herói, ao sair da lotérica, é abordado por outro digníssimo senhor, que lhe leva a carteira com aposta e tudo. Desolado, fica a lamentar-se o dono do tênis e, agora, ele também, ex-dono da nota de cinquenta pela falta de honestidade dos homens.

E, dos dois, ainda prefiro o segundo ladrão, que ao menos teve a decência de mostrar a que viera.

Gentileza

13/09/2009
Ele havia ganhado o dia.
Ele havia perdido a hora.

Aquela garota por quem fora apaixonado durante toda a juventude e que a vida havia levado não sabia para onde o encontrara ao acaso na padaria do centro, onde ele sempre tomava seu café.
O ônibus em que deveria estar naquele momento, o perdera havia meia hora. Meteu-se na roupa tão rápido como pôde, ajeitou rápido o cabelo e saiu correndo de casa, sem sequer tomar café.

Carregava seu cappuccino por entre as mesas, desviando-se das pessoas que lotavam a loja. Esbarrou em uma delas, deixando derramar um pouco da bebida no pires. Virou-se para se desculpar e seus olhos cruzaram-se. Era ela.

Levava seu arquivo, abarrotado de processos, evitando as pessoas que toda manhã apinhavam o centro da cidade. Trombou com uma delas e, por sorte, seu arquivo não caíra. Praguejou algumas palavras, sem ao menos olhar para ver quem era.

Com calma, terminou seu cappuccino, olhando-a nos olhos e sendo feliz por tê-la encontrado. Ao final, um milagre: ela lhe entregara um pequeno papel, com seu telefone.
Apressado, acelerava o passo por entre aquele povo, sem se preocupar em olhar as pessoas no rosto. Sua maior interação com eles era quando recolhia o lixo que lhe davam os panfleteiros que se colocavam no seu caminho. Tomava-lhes os panfletos também sem se dignar a olhá-los, acionado mecanicamente pelo som de papéis batendo em mãos. Pegava-os, amassava-os e os atirava ao chão.

Sua alegria era tamanha, que não podia conter o sorriso. Aquele pedacinho de papel era seu grande tesouro, e carregava-o com cuidado próprio a objetos dessa estirpe. À saída da padaria, bateu-o contra a mão, em comemoração àquele pequeno milagre, como se atestasse, assim, a própria existência daquele objeto tão caro. Fitou-o contente.
E não conseguiu ver quem lhe tomara da mão, como um raio, nem pra onde havia ido.

Ante-nada

23/08/2009
Era uma Maria, ou uma Joana, ou ainda uma Rita…

Não importa quem fosse. O fato é que sempre fora ela muito bem informada e, como sempre dizia, “antenada nas novidades”. Considerava com propriedade sobre diversos assuntos da comunidade e, certamente, não era a fala um pudor seu.

Alegrou-se com o fim do namoro da Clarinha; pois o traste do Roberto não valia o ar que respirava. Como flertava com todas as meninas do bairro quando a namorada não estava por perto! Diferente do Paulo. Esse sim! Como ela invejava a Aninha, uma menina mosca-morta que havia, não se sabe como, fisgado o melhor partido das redondezas.


Chocou-se com a ida à bancarrota da Dona Maricotinha. A pobre, veja só que lástima, perdera as suas economias de toda uma vida no bingo. Isso, enquanto seu filho a abandonava para se aventurar numa outra cidade – aquele egoísta sem alma – e seu marido, o “seu” Alcebíades, sequer lembrava de seu próprio nome e passava as tardes vagando pela vizinhança a gritar desaforos aos ventos.Se alegrou com o nascimento do Juninho… E se decepcionou quando, pela terceira vez, repetiu o primeiro ano. Bem verdade que tinha a quem puxar: o “seu” Antenor mal havia concluído o quinto ano e dona Emengarda nem á escola havia ido. Como já dizia o ditado, filho de peixe…

Por toda sua vida, sempre soube tudo. No seu último suspiro, quando dizem passar a vida pelos nossos olhos, no entanto, não via nada diante de si. Nem sabia se
era uma Maria, ou uma Joana, ou ainda uma Rita…

Gente da terra

02/08/2009

Morreu João Honório. Mais uma vítima da disputa infrutífera de anos por um pedaço de terra. A família, desolada, ao mesmo tempo em que chorava a morte do patriarca, alimentava o ódio aos Garcia. E a vingança era arquitetada.

Tal qual fora feito a um finado João, era agora planejado o último suspiro de um José. Um tiro certeiro enquanto colhesse, para avisar que o que se planta colhe-se. E lavar a terra gloriosa com o sangue desafeto.

Aquela terra boa, que retibuía com maravilhosos frutos cada semente que se lhe confiava. Terra rica, que bem poderia alimentar tantos quantos nela se fixassem. Terra boa, terra rica. Ora Ribeiro, ora Garcia.

Morreu José Vicente. E, mais uma vez, havia os lamentos, havia os planos. mais uma vez não viam os homens que a terra que tanto disputavam não era sua glória, nem riqueza.

Era seu túmulo.